top of page
Buscar

Por Adyashanti, Três niveis do despertar (nível da mente, parte 1)

(Parte 1 de 3)

Aos vinte e cinco anos, após o despertar inicial que descrevi, poderia ter presumido: Oh, é isso; isso é tudo que existe para isso. Eu vi a natureza absoluta da realidade." Eu poderia ter proclamado ao mundo o que eu havia descoberto, mas tive muita sorte de haver uma pequena voz dentro de mim que disse: "Não é realmente isso. Isso não é tudo. Continue."

Essa pequena voz era como um salvador em certo sentido. Porque, naquele ponto específico da jornada, há uma grande tendência de querer apreender o que é visto, reivindicá-lo, apropriar-se dele e, então, criar um novo "eu iluminado", um "eu que iluminou" do que foi realizado.


Tive sorte de ter essa voz dentro. Às vezes, a voz que nos diz para continuar vem de fora de nós - das circunstâncias, da própria vida. De qualquer forma, é essencial que um despertar inicial não seja de propriedade ou afirme que não há suposição de conclusão. Mesmo que possa parecer que a jornada cessou, é importante perceber que foi a antiga jornada que cessou, a jornada em direção a essa visão inicial, a jornada em que você não tinha consciência de quem e o que você era. Agora começa uma nova jornada - a jornada de expressar a não-divisão em todos os níveis do seu ser. E esta é uma jornada que pode levar anos para se completar.


Mas o que significa não estar dividido?


Nesses ensinamentos, eu falei sobre não ser dividido, e eu igualei o despertar a um estado de não divisão. Porém eu quero deixar algo claro para que ninguém confunda a ideia do que significa não ser dividido. Não-divisão é o efeito do despertar, é a expressão da nossa verdadeira natureza. Como eu disse, não ser dividido não tem nada haver com ser perrfeito ou santo. E, não tem garantias que depois do despertar, em algumo mmnento em particular, você não terá uma experiência de divisão em algum momento, não tem garantia que a divisão não irá aparecer novamente. na realidade, ser verdadeiro ser desperto, é estar livre dessa preocupação dessas coisas, de o quão desperto se está ou não.

Um dos maiores mestres da tradição zen disse essa discrição sobre o estado desperto : Ser sem ansiedade sobre a perfeição.

Entao, não ser dividido não tem nada haver com ser perfeito.


Ser indiviso não se conforma com as imagens que podemos ter em nossa mente sobre santidade ou pertinência. Se alguém olhasse para a minha vida, tenho certeza de que encontraria muitos motivos para dizer algo como: "Ah, isso não se encaixa na minha ideia do que seria um ser iluminado.

Isso não se encaixa na minha imagem de como é um ser indiviso. Tenho certeza de que minha vida provavelmente não estaria de acordo com os ideais de muitas pessoas sobre como elas acham que a iluminação deveria ser. Porque, na verdade, sou muito mais uma pessoa comum do que a maioria das pessoas imagina. Para mim, parte do despertar é morrer para a normalidade, para a ausência de ansiedade.

Independentemente do que alguém possa dizer olhando para minha vida ou para a vida de qualquer outra pessoa, o estado de não divisão não é algo que você possa entender até que comece a despertar dentro de você. Só posso encorajá-lo a não acreditar em nenhuma imagem de santidade ou perfeição que possa surgir em sua mente, porque essas imagens só atrapalham. Ser indiviso – ver e agir a partir da não separação, da unidade – é algo que cada um de nós deve descobrir por si mesmo. O que é ver além do amor e do ódio, além do bem e do mal, além do certo e do errado? Essas coisas devem ser descobertas em sua própria experiência. Avaliar a experiência de não divisão de outras pessoas não é útil. A única coisa que importa é onde você está. Em qualquer momento, você está vivenciando e agindo a partir da divisão, ou está vivenciando e agindo a partir da unidade?

Qual é?


Como já mencionei, o despertar impacta as pessoas da maneira diferentes, dependendo de seu condicionamento: Um modelo que acho útil ao trabalhar com os alunos é considerar como o despertar nos impacta em três níveis diferentes de nosso ser: o nível mental «o nível da mente ), no nível emocional (o nível do coração), e no nível existencial (o nível do intestino). À medida que o despertar penetra na totalidade do nosso ser, podemos experimentar vários graus de não divisão em cada um desses níveis. Por favor, tenha em mente que estes três níveis são (metafóricos; esta é apenas uma ferramenta para ajudar a dar sentido a algo que as pessoas experimentam. Desde que este modelo conceitual não seja mantido com muita rigidez, pode ser útil.

No momento de um despertar autêntico, o Espírito é completamente liberado em todos os níveis do ser, de uma só vez. De repente, despertamos para uma visão, para uma maneira de perceber, que é totalmente diferente de tudo o que conhecíamos anteriormente. Na sequência desse evento, podemos ou não nos estabilizar nessa visão total e completa igualmente em todos os níveis do nosso ser. Muitas vezes é como uma corda elástica que se estende completamente, mas depois, por meio de certas tendências cármicas, se puxa para trás. Ele nunca volta para onde começou antes de despertar, mas se retrai até um certo nível. Isso pode acontecer de forma desigual, de maneiras diferentes, em todo o nosso ser.


Despertar no Nível da Mente

Vamos começar observando o que acontece no nível da mente após uma experiência de realização. O que significa experimentar a não divisão no nível da mente?

Todos nós sabemos como é estar dividido no nível da mente, ter um pensamento em conflito com outro, ter uma parte da mente dizendo: "Eu deveria fazer isso" e outra parte da mente dizendo: " Eu não deveria fazer isso." Ter uma mente dividida é ter uma mente em conflito consigo mesma.

A maioria de nossas mentes está em grande conflito. Nossos padrões de pensamento oscilam entre o bom e o mau, o certo e o errado, o sagrado e o profano, o digno e o indigno, e até mesmo entre o iluminado e o não iluminado. Esses pensamentos polarizadores causam a experiência de divisão no nível da mente.

À medida que despertamos e esse despertar penetra e se revela no nível da mente, o que vemos primeiro é que nada na estrutura do pensamento é verdadeiro. Agora, não me entenda mal - não estou dizendo que a mente não tem valor ou é de alguma forma ruim. A mente, que nada mais é do que pensamento, é uma ferramenta como todas as outras ferramentas. É uma ferramenta como um martelo, uma serra ou um computador é uma ferramenta.

Mas no estado de consciência em que se encontra a maioria dos seres humanos, a mente é facilmente confundida com algo que não é. A mente não é vista como uma ferramenta, mas sim como a fonte de um senso de identidade. A maioria das pessoas está constantemente perguntando à sua mente: "Quem sou eu?" "O que é a vida?" "O que é verdade?" Eles estão olhando para sua mente para dizer a eles o que deve e o que não deve ser. Isto é ridículo! Você não entraria em sua garagem e perguntaria ao seu martelo quem você é ou o que é certo ou errado de se fazer. Se o fizesse, e seu martelo pudesse responder a você, provavelmente diria: "O que você está me pedindo? Sou a ferramenta errada para fazer esse tipo de pergunta". Mas fazemos isso com a mente. Esquecemos que a mente é uma ferramenta - uma ferramenta muito poderosa e útil. Tudo começa na mente. Cada carro que você dirige, cada prédio em que entra, cada shopping em que entra - tudo começou como um pensamento na mente de alguém. Esse pensamento foi considerado útil e necessário, e a ideia se manifestou por meio da ação. Portanto, a mente é poderosa e útil. Mas na consciência humana, a mente não é vista simplesmente como uma ferramenta. Em vez disso, o que aconteceu é que a mente usurpou a realidade. Tornou- se sua própria realidade a tal ponto que nós, seres humanos, encontramos nosso senso de identidade - quem pensamos que somos, nossa auto- imagem - em nosso processo de pensamento. À medida que a luz do despertar começa a penetrar no nível da mente, vemos que a mente não possui realidade inerente. É uma ferramenta que a realidade pode usar, mas não é a realidade. Por si só, um pensamento é apenas um pensamento. Um pensamento não tem veracidade. Você pode ter o pensamento de um copo d'água, mas se estiver com sede, não poderá beber o pensamento. Você pode pensar em um copo d'água até morrer, mas pegar um copo físico e beber a água é uma experiência totalmente diferente. Você pode pegar o copo e beber a água sem pensar em copo ou água. E assim o próprio pensamento é vazio; está vazio de realidade. Na melhor das hipóteses, o pensamento é simbólico. Pode apontar na direção de uma verdade ou de um objeto, mas muitos pensamentos

nem fazem isso. Muitos pensamentos na consciência humana são apenas pensamentos pensando sobre outros pensamentos – pensando sobre pensar. Os meditadores estarão meditando e um pensamento será: "Eu não deveria estar pensando". Mas, é claro, esse pensamento é, em si, um pensamento. É muito fácil ficar preso em vários ciclos de pensamento sobre o pensamento À medida que despertamos no nível da mente, começamos a perceber além da mente. Percebemos que a própria mente está vazia de realidade, e esta é uma percepção profunda. É fácil dizer que a mente está vazia de realidade. Pode até ser uma coisa fácil para algumas pessoas entenderem. Mas ver que a mente está vazia de realidade é radical ao extremo. É radical ver que todo o nosso senso de identidade e do mundo é criado na mente. Quando vemos que a estrutura do pensamento não contém nenhuma realidade intrínseca, passamos a ver que o mundo como o percebemos, através da mente, não pode ter nenhuma realidade. Isso é tremendo; o eu que nós percebemos não tem realidade. Despertar no nível da mente é a destruição de todo o seu mundo. Isso é algo que nunca, jamais, podemos prever. O que é destruído é toda a nossa visão de mundo - todas as maneiras pelas quais somos condicionados, todas as nossas estruturas de crença, todas as estruturas de crença da humanidade, desde o tempo presente até o passado distante - todos eles formam este mundo particular, este consenso que os seres humanos concordaram, essa visão das coisas como verdadeiras, literalmente até "eu sou um ser humano" ou "existe algo como um mundo" ou melhor ou sendo mais ou menos feliz. A iluminação é o desmoronamento da inverdade. É ver através da fachada do fingimento. É a erradicação completa de tudo o que imaginávamos ser verdade - de nós mesmos para o mundo. Nesse processo, descobrimos que mesmo as maiores invenções das maiores mentes da história da humanidade não passam de sonhos de crianças. Começamos a ver que todas as grandes filosofias e todos os grandes filósofos fazem parte do sonho. Despertar no nível da mente é como abrir a cortina, como Dorothy em O Mágico de Oz. Ela espera ver o Grande Oz, mas quando a cortina é puxada para trás, descobre- se que o Grande Oz é um homenzinho puxando alavancas. Ver através da natureza da mente é assim. É uma coisa radical. É inesperado quando vemos que tudo o que pretende ser verdade é, na verdade, parte do estado de sonho e mantém o estado de sonho unido. Não existe pensamento iluminado. É um grande choque para o nosso sistema ver isso. Na verdade, a maioria de nós se protege de ver essa verdade. Dizemos que queremos a verdade, mas queremos mesmo? Dizemos que queremos conhecer a realidade, mas quando ela aparece é tão diferente do que pensávamos. Não se encaixa em nosso contexto; não combina com nossas imagens. É algo completamente além deles. Não está apenas além deles, na verdade destrói nossa capacidade de ver o mundo da maneira antiga. Isso transforma nosso mundo em escombros. Quando tudo está dito e feito, o que nos resta é nada. Estamos totalmente de mãos vazias, sem nada para agarrar

Como Jesus disse: "Os pássaros têm seus ninhos nas árvores e as raposas têm suas tocas no chão, mas o filho do homem não tem onde reclinar a cabeça." Não há nenhum conceito, nenhuma estrutura de pensamento sobre a qual você possa descansar. Isso é o que significa libertação total. Somente com a liberação completa a verdade do que somos pode brilhar sem distorções. Mas essa liberação completa no nível da mente não é algo que geralmente acontece totalmente no momento em que a pessoa tem um vislumbre inicial da verdade. Nossas construções mentais geralmente continuam a desmoronar por algum tempo após o despertar - isto é, se você permitir, e se você perceber que o desmoronamento da mente e do mundo é o que a verdade do ser está buscando realizar. Não podemos ver as coisas em sua verdadeira natureza até que paremos de ver as coisas em sua natureza falsa. Estar totalmente desperto no nível da mente é algo muito profundo. Quando encontro pessoas que tiveram algum despertar autêntico, muitas vezes descubro que, até certo ponto, suas mentes cooperaram o que perceberam e o transformaram em outra formulação mental. Isso, é claro, fará com que a realização direta escape por entre seus dedos. Mais cedo ou mais tarde descobrimos que não podemos conceituar a verdade. Quando percebemos isso, a mente se torna uma ferramenta e se torna útil para algo diferente do pensamento. Surge a possibilidade de que a mente, o pensamento e até mesmo a fala possam se originar de um lugar diferente. O que então está usando a mente é o Ser. O pensamento pode surgir do silêncio; a fala pode surgir do silêncio; comunicação pode surgir do silêncio - de um lugar muito além da mente. E então a mente pode ser usada como uma ferramenta, uma ferramenta para comunicaçao, para apontar, para direcionar. Porém sempre permanece transparente em si mesma, nunca se fixa ou cria uma nova crença ou ideologia.


(para saber sobre o despertar do coração, espere pelo próximo post no blog)

69 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page