Buscar

Por Rupert Spira - A diferença entre auto-investigação e outras técnicas contemplativas


O que todas pessoas buscam é a essência de sua própria mente, e por não saber que isso está disponível em si, a pessoa começa a buscar isso em objetos externos, substâncias, atividades, relações, quando tudo isso falha, a pessoa normalmente se interessa por algum caminho espiritual ou religião, então é ensinado a pessoa algum tipo de prática como oração, mantra, yoga, todos os tipos de ténicas, que são apenas um refinamento de sua busca pela felicidade, que antes era procurado nos objetos, então agora ela está procurando a felicidade através da repsiração, ou uma técnica, ou um professor, ou uma chama para se concentrar, ou uma postura para adotar, é dado a ela algum tipo de experiência sujeito-objeto mais refinados do que as antigas maneiras de buscar felicidade, mas, ainda assim são objetos da experiência, e muitos desses objetos podem ser ''nobres'' como um Deus que está lá fora, mas eles ainda assim são objetos.

Por outras palavras, a pessoa ainda está direcionando a sua atenção para fora de sua 'fonte', essência, em direção a um objeto, mesmo que seja um objeto refinado para o propósito de achar felicidade. E isso pode ser um ''meio passo'', um caminho necessário e legítimo para a pessoa, porque sua mente ainda está muito acostumada a procurar felicidade em objetos para conseguir simplesmente virar para si mesma imediatamente. Então por compaixão, o ensinamento diz: ok, não precisa virar imediatamente e olhar sua essência agora, apenas foque em um mantra, numa chama, num guru, repita essas palavras, e essas práticas acalmam a mente da pessoa, a mente não está mais pulando tanto de um objeto para outro, de uma relação para outra, etc, ela está agora mais estável, e quando sua mente começa a se tornar estável, o ensinamento diz, ok, agora abandone esses objetos (mantra, chama, respiração, etc) e começa a trazer a atenção para dentro, sem focar em objeto algum, sem foco em algum objeto, mas em si mesma, porque é aí que a felicidade está. Não existe outro lugar aonde seja possível encontrar felicidade.

Então, no caminho direto, nós vamos diretamente, não via um objeto, mas diretamenta para a essência, a essência ou a fonte de nossa mente, é por isso que é chamado de caminho direto, e o que é chamado de auto-inquirição é uma auto-investigação do Eu que nós essencialmente somos, e eventualmente todos os caminhos acabam indo algum momento para a auto-inquirição(nem sempre), porque todas as práticas espirituais focam em dissolver a sensação de separação da falsa entidade na ''Mente original'' Como se fala no budismo ou na consciência crística como se fala no cristianismo, não importa como nós chamamos, mas todos eles envolvem a dissolução da pessoa na essência.

Aqui nós vamos diretamente à essência, e não via uma prática, um objeto.

É o caminho mais curto porque quando vamos via um objeto, requer um caminho a partir de nós mesmos até outro objeto, e isso requer tempo, porém não há nenhuma distância entre nós mesmos e nossa essência, é por isso que é chamado do caminho sem caminho, ou caminho sem esforço, e é por isso que é o caminho mais elevado, é o mais rápido e direto porque não usa o tempo. É o mais eficiente e o mais fácil, porém se parecer ser difícil para nós por causa da agitação da mente, então é legítimo pegar outro caminho longo e focar a atenção por exemplo em mantras, na respiração, na postura, eu não estou criticando essas práticas, estou apenas mostrando elas num contexto maior do processo espiritual, e não é uma coincidência que a maioria das pessoas que estão aqui já estão em caminhos espirituais por 10, 20, 30 anos, e aqui é a cereja do bolo, é o último passo, e a maioria das pessoas foram preparadas para este caminho em outra tradição, budista, sufi, etc, e elas chegam ao seu limite nessa tradição e então quando encontramos esse limite nós somos convidados ao caminho direto. Porém, eu noto que mais e mais há mais pessoas, noto isso principalmente em pessoas mais jovens, que não requer essa preparação para o caminho direto, mais pessoas vem aos retiros que suas mentes já estão livres de parafernália espiritual e também estão mais livres de sofrimento que muitas pessoas mais velhas carregam, então elas vem com essa inocência e frescas, escutam o ensinamento e já dizem, sim, isso faz sentido!


Por Rupert Spira, traduzido por Willy do vídeo https://www.youtube.com/watch?v=MAsYUfzv3VI


7 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo