top of page
Buscar

Meditação, Por Rupert Spira

Meditação é simplesmente permanecer como você mesmo.

Permanecemos como somos e permitimos que a mente, o corpo e o mundo apareçam e desapareçam sem interferência.

Se houver interferência, então isso é entendido como parte da atividade da mente e pode ser exatamente como é.

Nossa experiência objetiva consiste em pensamentos e imagens, que chamamos de mente; sensações, que chamamos de corpo; e percepções sensoriais, que chamamos de mundo. Na verdade, não experimentamos uma mente, um corpo ou um mundo como tal. Experimentamos pensar, sentir e perceber.

Tudo o que percebemos são nossas percepções. Não temos evidências de que exista um mundo fora de nossa percepção dele. Não percebemos um mundo lá fora.

Nós percebemos nossa percepção do mundo, e toda percepção ocorre na Consciência.

Na meditação, simplesmente permitimos que esse pensar/sentir/perceber seja o que for de momento a momento. Esse pensar/sentir/perceber está sempre em movimento, sempre mudando. Simplesmente permitimos que ela flua através de nós, apareça, permaneça e desapareça. Na verdade, isso é tudo o que está acontecendo

pensando de qualquer maneira.

Aquilo em que o pensar/sentir/perceber aparece é o que chamamos de Eu. É a Presença consciente e testemunha que experimenta tudo o que está sendo experimentado momento a momento.

Não há necessidade de tornar consciente esta Presença que testemunha. Já está pronto. Não há necessidade de torná-lo pacífico. Já é assim.


Não há necessidade de acordá-lo. Já está sempre acordado. Não há necessidade de torná-lo ilimitado e impessoal. Já é assim.

E não há necessidade de tornar a mente, o corpo e o mundo pacíficos.

Eles estão sempre se movendo e mudando.

Permanecemos como somos e permitimos que a mente, o corpo e o mundo

sejam como são.

Ao fazê-lo, a mente, o corpo e o mundo retornam gradualmente ao seu verdadeiro lugar e sua natureza é revelada. Vemos que, de fato, eles nunca deixaram seu verdadeiro lugar, que nunca foram outra coisa senão o que realmente são. Simplesmente paramos de imaginar que eles estão distantes, separados e outros e, consequentemente, param de aparecer como tal.


Imagine uma sala cheia de pessoas conversando. Nesta metáfora, o espaço da sala é esta Presença consciente e testemunha que chamamos de T. As pessoas são pensamentos e imagens, sensações corporais e percepções do mundo.

Há todo tipo de pessoa na sala: grande, pequena, gentil, cruel, inteligente, não inteligente, barulhenta, quieta, amigável, hostil... uma complexa diversidade de personagens, movendo-se, mudando, interagindo, aparecendo e desaparecendo, cada um fazendo sua coisa.

O que o comportamento dessas pessoas importa para o espaço da sala?

O espaço tem algo a ganhar ou a perder tentando mudar alguma das pessoas? O próprio espaço é alterado quando uma das pessoas muda?

O espaço é independente das pessoas, embora as pessoas sejam dependentes do espaço. O espaço está presente antes de as pessoas chegarem, está presente durante a sua estadia e está presente quando elas partem. Na verdade, ele está presente antes da construção do edifício e estará presente depois que ele for demolido. Está sempre presente.

O mesmo é verdade para a Consciência. Tudo o que está sendo experimentado neste momento está ocorrendo dentro da Consciência, e a própria Consciência permanece como é o tempo todo, inalterada, inalterada, despreocupada.

A consciência é o que somos, e ser como somos é a forma mais elevada de meditação. Todas as outras meditações são simplesmente uma modulação dessa meditação de permanência como nós..


Para começar, a meditação pode parecer algo que fazemos, mas depois descobrimos que é simplesmente o que somos. É o condibut natural

de todos os seres.

não pode ser feito, porque já é o caso. Não pode ser treinado, porque é o que sempre já somos. Não pode ser perdido, pois não há para onde ir.

Simplesmente permitimos que tudo seja como é. À medida que permitimos que tudo seja como é, estamos, inconscientemente a princípio, assumindo nossa posição em nossa verdadeira natureza.

Na verdade, nunca deixamos nossa verdadeira natureza, mas agora começamos a residir lá conscientemente.

Em algum momento, percebemos que eu não permaneço em sua verdadeira natureza.

Quem está lá para permanecer em algo diferente de si mesmo? Simplesmente é isso.

Nós simplesmente somos isso e sempre fomos.

Mesmo dizer 'sempre não está certo, porque sempre' implica uma extensão infinita no tempo. A idéia de uma extensão infinita no tempo aparece no Eu, na Consciência, de tempos em tempos, mas o 'eu nunca aparece em uma extensão infinita no tempo.

Apenas isso. Eu, Consciência, apenas sou.

54 visualizações0 comentário

Commentaires


bottom of page